26
Qua, Abr
0 Novas matérias

Outono - A Estação que está só começando...

O Outono iniciou-se ás 13h57 do dia 20 de março de 2014. Sendo uma estação de transição entre o verão e inverno, verificam-se características de ambas, ou seja, mudanças rápidas nas condições de tempo, maior frequência de nevoeiros e registros de geadas em locais serranos das Regiões Sudeste e Sul. Mas, afinal... O que esperar do OUTONO 2014?

A definição do dia e do horário para início de uma estação faz parte da astronomia. Mas como as estações são subdivisões do ano baseados em padrões climáticos, temos uma ligação direta com a meteorologia. A terra gira em torno do sol, e sua inclinação faz com que, em certas épocas do ano, um hemisfério receba a luz do Sol por um tempo maior do que o outro hemisfério. Isto é a principal causa das estações do ano: primavera, verão, outono e inverno. Com a mudança das estações do ano, mudam nossas escolhas, nossas emoções, as tendências da moda, as vestes, calçados, corte de cabelos, enfim esperamos com grandes expectativas todas essas novidades. Mas na verdade, lá no fundo da alma carregamos aquela esperança que nos move a acreditar na vida, a superar as perdas, a entender que esta é a Estação da Renovação, do Recomeço!

 

A Natureza toda se transforma, os ventos , a chuva, as nossas emoções e os amores... Lembram da canção Amor de Outono? Sandy e Junior já cantavam: "No outono é sempre igual, as folhas caem no quintal. Só não cai o meu amor pois não tem jeito, é imortal!" E a vida segue,...O tempo passará! A cura interior das dores, das magoas E dos sofrimentos é que limpam o coração! Só prevalecerá o que for verdadeiro!

FELIZ OUTONO! (Por Lúcia Santos)..

Em entrevista à Folha de Adrianópolis, o Prefeito Municipal João Manoel Pampanini, disse que já decretou estado de emergência, e relatou que a situação em outros bairros mais afastados do centro ainda é desconhecido devido ao difícil acesso ou ao acesso nulo. De acordo com o prefeito, o governo do estado entrou em contato com a Prefeitura Municipal e disse que irá enviar ajuda na manhã desta terça-feira (2), para poder percorrer também os bairros e fazer o levantamento dos prejuízos.

A Folha de Adrianópolis fez um levantamento nas áreas alagadas e constatou que cerca de 140 casas foram atingidas, apenas no centro da cidade de Adrianópolis, mais de 200 pessoas estão desabrigadas, isso apenas no centro da cidade de Adrianópolis. Já há informações sobre dois outros bairros próximos ao centro, que também estão sofrendo muito com as cheias, Rocha e o Carumbé.

Pessoas que saíram de Curitiba e outras cidades rumo a cidade de Ribeira estão impossibilitadas de chegar até a cidade paulista, pois a ponte na divisa com o estado do Paraná está interditada. Muitos não conseguem achar nem um local para comer, pois restaurantes e bares estão submersos.

No Facebook foi criado um evento de mobilização que conta com mais de 320 pessoas (até o momento) pedindo ajuda de autoridades dos governos dos dois estados, para que ajudem as cidades de Adrianópolis e Ribeira em São Paulo.

No Facebook, Orkut, YouTube e outras redes sociais foram utilizadas para divulgar imagens das cheias, além de noticias que ajudaram a alertar pessoas que moram em outras cidades mas que tem ligações com moradores das cidades atingidas

CONCURSO "PLANETA HOMEM/ PLANETA ÁGUA".

A Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Turismo, lançou o tema para concurso sobre a água com a intenção de sensibilizar as crianças da Educação Infantil e das séries iniciais do E.F das Escolas da Rede Municipal.
No dia 31 de março, foi concretizado um momento de culminância para a premiação e certificação de todos os participantes das várias escolas que se fizeram presentes no evento.
O trabalho foi muito importante para sensibilizar as crianças sobre a necessidade da água para todos.
Os alunos criaram seus desenhos com muita propriedade de conhecimento sobre o tema proposto. Os desenhos elaborados foram classificados nas escolas e encaminhados á SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE E TURISMO, onde foram analisados, comentados e escaniados para apresentação no data show.
Durante o evento, teve várias apresentações culturais como dança, teatro, Paródia musical, coral, Oração pela Água. As várias apresentações foram feitas pelos alunos do CESB do Curso da Formação de Docentes que participaram ativamente de todas as atividades. De acordo com a Secretaria LÚCIA SANTOS, o projeto foi muito proveitoso, houve resultado e foi um sucesso!
Haverá outros eventos, outros projetos de Educação Ambiental, que deverá envolver todas as escolas das redes municipal e estadual no município como a "Campanha da Fraternidade", por exemplo que deverá acontecer em "outubro" em parceria com a Igreja.
A SMMAT agradece e parabeniza todas as escolas, as diretoras, coordenadores, Secretaria de Educação e Cultura pela parceria na realização deste projeto.

Alunos do Curso Magistério encenaram algumas peças de conscientização e cuidados com a água no Planeta.

Com a interdição da ponte da Amizade que liga Paraná à São Paulo, entre Adrianópolis e Ribeira, A cidade do estado de São Paulo se encontra completamente ilhada. A estrada que leva até Apiaí está em baixo d'água impossibilitando o trafego entre as duas cidades paulistas.

Em nota, a Defesa Civil do estado de São Paulo informou que cerca de 100 familias foram deslocadas para um abrigo longe das correntesas do Rio Ribeira, ainda segundo a Defesa Civil os telefones fixos pararam de funcionar, somente é possivel contato através de telefone móvel.

Adrianópolis ainda enfrenta quedas de energia, até as 21h30 a cidade estava sem energia elétrica.

Informações de que o rio começa a baixar chega ao mesmo tempo em que volta a garoar na região. A previsão do tempo prevê chuva ainda nesta madrugada, porém apartir de amanhã o dia começa a melhorar.

O impacto do crescimento urbano, da industrialização e das mudanças climáticas nos recursos hídricos vem crescendoe tornando cada vez mais urgente a eficiência na gestão desse bem finito.

Com essa preocupação, a Organização das Nações Unidas (ONU) lança o alerta para reflexões sobre a gestão da água para as cidades no Dia Mundial da Água 2011, celebrado mundialmente em 22 de março.
No mês em que se comemora o Dia Mundial da Água, é preciso lembrar que, em diversos lugares do planeta, milhares de pessoas já sofrem com a falta desse bem essencial à vida.
A água é um bem precioso e insubstituível. É um elemento da natureza, um recurso natural. Na natureza podemos encontrar a água em três estados: sólido (gelo), gasoso (vapor) e líquido. Ainda classificando a água ela pode ser: doce, salobra e salgada.
É de domínio público e de vital importância para a existência da própria vida na Terra. A água é um recurso natural que propicia saúde, conforto e riqueza ao homem, por meio de seus incontáveis usos, dos quais se destacam o abastecimento das populações, a irrigação, a produção de energia, o lazer, a navegação.
De acordo com a "Gestão dos Recursos Naturais da Agenda 21, a água pode ainda assumir funções básicas, como:

- Biológica: constituição celular de animais e vegetais.
- Natural: meio de vida e elemento integrante dos ecossistemas.
- Técnica: aproveitada pelo homem através das propriedades hidrostática, hidrodinâmica, termodinâmica entre outros fatores para a produção.
- Simbólica: valores culturais e sociais.

Muito se fala em falta de água e que, num futuro próximo, teremos uma guerra em busca de água potável. O Brasil é um país privilegiado, pois aqui estão 11,6% de toda a água doce do planeta. Aqui também se encontram o maior rio do mundo - o Amazonas - e o maior reservatório de água subterrânea do planeta - o Sistema Aqüífero Guarani.

No entanto, essa água está mal distribuída: 70% das águas doces do Brasil estão na Amazônia, onde vivem apenas 7% da população. Essa distribuição irregular deixa apenas 3% de água para o Nordeste. Essa é a causa do problema de escassez de água verificado em alguns pontos do país. Em Pernambuco existem apenas 1.320 litros de água por ano por habitante e no Distrito Federal essa média é de 1.700 litros, quando o recomendado são 2.000 litros.

Mas, ainda assim, não se chega nem próximo à situação de países como Egito, África do Sul, Síria, Jordânia, Israel, Líbano, Haiti, Turquia, Paquistão, Iraque e Índia, onde os problemas com recursos hídricos já chegam a níveis críticos. Em todo o mundo, domina uma cultura de desperdício de água, pois ainda se acredita que ela é um recurso natural ilimitado. O que se deve saber é que apesar de haver 1,3 milhão de km3 livre na Terra, segundo dados do Ministério Público Federal, nem sequer 1% desse total pode ser economicamente utilizado, sendo que 97% dessa água se encontra em áreas subterrâneas, formando os aqüíferos, ainda inacessíveis pelas  Políticas públicas e um melhor gerenciamento dos recursos hídricos em todos os países tornam-se hoje essenciais para a manutenção da qualidade de vida dos povos. Se o problema de escassez já existente em algumas regiões não for resolvido, ele se tornará um entrave à continuidade do desenvolvimento do país, resultando em problemas sociais, de saúde, entre outros.

O país está tomando medidas concretas para impedir esse futuro, entre elas a criação da Agência Nacional de Águas, a sobreposição do rio São Francisco, adoção de técnicas de reuso de água e construção de infra-estrutura de saneamento, já que hoje 90% do esgoto produzido no país é despejado em rios, lagos e mares sem nenhum tratamento.

Segundo a Organização das Nações Unidas - ONU, 50% da taxa de doenças e morte nos países em desenvolvimento ocorrem por falta de água ou pela sua contaminação. Assim sendo, o rápido crescimento da população mundial e a crescente poluição, causado também pela industrialização, torna a água o recurso natural mais estratégico de qualquer país do mundo.

Para cada 1.000 litros de água utilizados, outros 10 mil são poluídos. Segundo a ONU, parece estar cada vez mais difícil se conseguir água para todos, principalmente nos países em desenvolvimento. Dados do International Water Management Institute - IWMI mostram que, no ano de 2025, 1.8 bilhão de pessoas de diversos países deverão viver em absoluta falta de água, o que equivale a mais de 30% da população mundial. Diante dessa constatação, cabe lembrar que a água limpa e acessível se constitui em um elemento indispensável para a vida humana e que, para se tê-la no futuro, é preciso protegê-la para evitar o futuro caótico previsto para a humanidade, quando homens de todos os continentes travarão guerras em busca de um elemento antes tão abundante: a água.

Devido à grande expansão urbanística, a industrialização, a agricultura e a pecuária intensivas e ainda à produção de energia elétrica - que estão estreitamente associadas à elevação do nível de vida e ao crescimento populacional - crescentes quantidades de água passaram a ser exigidas.

As crescentes necessidades de água, a limitação dos recursos hídricos, os conflitos entre alguns usos e os prejuízos causados pelo excesso de água exigem um planejamento bem elaborado pelos órgãos governamentais, estaduais e municipais, visando técnicas de melhor aproveitamento dos recursos hídricos. Além das responsabilidades públicas, cada cidadão tem o direito de usufruir da água mas o dever de preservá-la, utilizando-a de maneira consciente, sem desperdícios, assim dando o valor devido à água.

Use a água racionalmente, a fonte não pode secar!

Fonte: www.ambientebrasil.com.br

 

Planeta Água

Guilherme Arantes 

Composição: Guilherme Arantes

Água que nasce na fonte
Serena do mundo
E que abre um
Profundo grotão
Água que faz inocente
Riacho e deságua
Na corrente do ribeirão...

Águas escuras dos rios
Que levam
A fertilidade ao sertão
Águas que banham aldeias
E matam a sede da população...

Águas que caem das pedras
No véu das cascatas
Ronco de trovão
E depois dormem tranqüilas
No leito dos lagos
No leito dos lagos...

Água dos igarapés
Onde Iara, a mãe d'água
É misteriosa canção
Água que o sol evapora
Pro céu vai embora
Virar nuvens de algodão...

Gotas de água da chuva
Alegre arco-íris
Sobre a plantação
Gotas de água da chuva
Tão tristes, são lágrimas
Na inundação...

Águas que movem moinhos
São as mesmas águas
Que encharcam o chão
E sempre voltam humildes
Pro fundo da terra
Pro fundo da terra...

Terra! Planeta Água
Terra! Planeta Água
Terra! Planeta Água...

Água que nasce na fonte
Serena do mundo
E que abre um
Profundo grotão
Água que faz inocente
Riacho e deságua
Na corrente do ribeirão...

Águas escuras dos rios
Que levam a fertilidade ao sertão
Águas que banham aldeias
E matam a sede da população...

Águas que movem moinhos
São as mesmas águas
Que encharcam o chão
E sempre voltam humildes
Pro fundo da terra
Pro fundo da terra...

Terra! Planeta Água
Terra! Planeta Água
Terra! Planeta Água...(2x)

Com a letra dessa belíssima canção,  chamamos a atenção para que todos os seres humanos deste planeta sejam mais conscientes e responsáveis no  uso deste recurso natural, um bem precioso em escassez.

O que se desperdiça hoje fará falta no amanhã!Pense nisso...

Seja consciente!Economize Água!

EVENTO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL

A Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Turismo  em parceria com a Secretaria de Educação e Cultura  estarão realizando um evento  na quadra Municipal Aníbal Curi, no dia 30 de março, com inicio á 14:00 horas para a entrega dos certificados e premiação dos alunos vencedores do concurso com os melhores trabalhos sobre o  tema "Àgua".Haverão várias apresentações como teatros, músicas, danças e palestra.Contamos com sua presença desde já cidadão de Adrianópolis,

                                                                                                                         SMMAT/ADRIANÓPOLIS.

 

120.087 pessoas afetadas, 587 desabrigadas, 18 cidades até o momento em que de acordo com um balanço parcial da Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Cedec), divulgado às 16h30.

As principais cidades atingidas são Ponta Grossa e Cerro Azul, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC), que até este horário continuava isolado pelos alagamentos. Equipes da Coordenadoria se dirigiam ao local para fazer uma avaliação mais precisa dos estragos e atender as famílias desabrigadas, que já chegavam a 280, além da ponte que foi arrastada pelo rio.

Clique aqui e veja o vídeo da ponte caíndo

A RMC, foi afetada em vários municípios: Almirante Tamandaré, Adrianópolis, Campo Largo, Pinhais, Piraquara e Rio Branco do Sul, que, juntos, totalizavam mais de 260 desabrigados. As demais cidades paranaenses atingidas foram Boa Vista da Aparecida, Curitiba, Guarapuava, Itapejara do Oeste, Irati, Imbituva, Paranaguá, Piraí do Sul, Prudentópolis e Salto do Lontra.

Balanço das chuvas no Paraná

Almirante Tamandaré – 3.000 pessoas afetadas

Adrianópolis – 150 pessoas afetadas

Boa Vista da Aparecida – 20 pessoas afetadas

Campo Largo – 100 pessoas afetadas

Cerro Azul – 16.345 pessoas afetadas

Curitiba – 5 pessoas afetadas

Guarapuava – 20 pessoas afetadas

Itapejara do Oeste – 50 pessoas afetadas

Irati – 3.500 pessoas afetadas

Imbituva – 400 pessoas afetadas

Piraí do Sul – 40 pessoas afetadas

Pinhais – 50 pessoas afetadas

Piraquara – 800 pessoas afetadas

Ponta Grossa – 95.000 pessoas afetadas

Paranaguá – 2 pessoas afetadas

Prudentópolis – 55 pessoas afetadas

Rio Branco do Sul – 100 pessoas afetadas

Salto do Lontra – 450 pessoas afetadas

Total – 120.087 pessoas afetadas

Fonte: Defesa Civil

Chuvas no Litoral afetaram 21 mil pessoas

As chuvas que caíram no Litoral nos últimos dias causaram transtornos em quatro cidades, com diversas ocorrências de alagamentos e deslizamentos. As situações mais graves se localizaram em Antonina e Morretes. Cerca de 21 mil pessoas foram afetadas pelos desastres ocorridos nos municípios.

 

Segundo balanço da Defesa Civil, 6.588 casas fo ram afetadas e, até o final da tarde de sábado, 8.090 pessoas estavam desalojadas (mas se socorreram na casa de parentes e amigos) e 706 buscaram abrigos públicos. Duas mortes haviam sido confirmadas e outras 11 pessoas eram dadas como desaparecidas.

A dificuldade de tráfego entre Curitiba e o Litoral permanecia com as interdições das rodovias BR 277 e BR 376. A Estrada da Graciosa também não estava sendo liberada para o tráfego normal. Apenas material de apoio, equipamentos para restabelecer a eletricidade e donativos estavam transitando pela via.

O governo lançou uma campanha para coletar donativos para as vítimas das chuvas. A prioridade são roupas, cobertores, colchões e alimentos não perecíveis. As doações podem ser entregues na Defesa Civil e também em supermercados cadastrados com centros de coleta.

A Defesa Civil atualiza as informações sobre os eventos ocorridos no Litoral pelo site www.defesacivil.pr.gov.br.

Calamidade Pública

O governador Beto Richa decretou na manhã desta terça-feira (15.03) Estado de Calamidade Pública para os municípios de Morretes e Antonina. A medida do Governo do Estado foi adotada para que sejam agilizadas as liberações de recursos para atendimento emergenciais nas duas cidades.


Com a decretação de Estado de Calamidade Pública, a contratação de serviços pode ocorrer sem a necessidade de abertura de licitações, o que facilita a contratação de empresas para a realização das obras de recuperação e outras medidas que são necessárias para atender a população atingida pelas chuvas do último final de semana.


A Presidente Dilma Rouseff ofereceu ajuda federal para a recuperação da região afetada pelas chuvas do fim de semana. Governador pediu um helicóptero militar para transportar um equipamento necessário para recompor a estação de tratamento de água de Paranaguá e uma ponte metálica do Exército será usada na BR 277.

O governador Beto Richa recebeu um telefonema da presidente Dilma Rousseff na manhã desta terça-feira (15). Durante cinco minutos, a presidente e o governador falaram sobre a dimensão dos estragos causados pela chuva na região litorânea do Estado. Foi a primeira conversa entre os dois depois da posse.
Dilma Rousseff colocou-se à disposição do Governo do Paraná para ajudar a população e os municípios da região e determinou o envio de uma ponte metálica do Exército, que estava em Porto União, na divisa entre Paraná e Santa Catarina, para substituir temporariamente uma das pontes que foi derrubada pela enxurrada.
O governador também conversou com o ministro da Defesa, Nelson Jobim, e pediu a liberação de um helicóptero do Exército para transportar um equipamento necessário para recompor o funcionamento da estação de tratamento de água de Paranaguá, que também foi paralisada em decorrência do excesso de chuvas na região.
A aeronave militar, que está no interior paulista, tem capacidade de carga de até 4 toneladas e será necessária por que não há acesso por terra para instalar o equipamento na estação de tratamento da companhia municipal Águas de Paranaguá.
Brasília - A situação dos municípios litorâneos será tratada em reuniões nos ministérios da Integração Nacional e das Cidades, na tarde desta terça-feira (15), em Brasília. O secretário da Infraestrutura e Logística, José Richa Filho, o presidente da Cohapar (Companhia de Habitação do Paraná), Mounir Chaowiche, os prefeitos de Morretes,  Amilton Paulo da Silva, e de Antonina, Carlos Augusto Machado, e a senadora Gleisi Hoffmann irão apresentar ao ministro Fernando Bezerra (Integração Nacional) um relatório sobre a situação do Litoral.
No encontro serão solicitados recursos para atender pessoas desabrigadas pelas enchentes e para recuperar a infraestrutura da região. Por conta do deslizamento de encostas e do volume extraordinário de água que caiu sobre a região, ficaram interditados vários trechos de estradas, inclusive a BR 277, que dá acesso ao Porto de Paranaguá.

Na segunda-feira (14), em entrevista ao jornal Paraná TV, o governador disse que o Governo do Paraná está tomando todas as providências para atender os moradores de Antonina, Morretes e Paranaguá, no litoral do Estado, afetados pela chuva, que interditou estradas e deixou milhares de desabrigados.

"Uma situação como essa passa a ser prioritária e emergencial dentro das demandas do governo", disse Richa. "Instalamos um gabinete de emergência e reunimos todo o secretariado com a polícia rodoviária e com a concessionária Ecovia, para fazer um trabalho coordenado, com mais eficiência e agilidade", afirmou o governador.

Richa sobrevoou a região litorânea no domingo e visitou as áreas atingidas por deslizamentos de encostas nas cidades de Antonina e Morretes e nas estradas. No sobrevôo foram feitas imagens para subsidiar as ações do governo no socorro às vítimas. O governador também acionou os ministérios da Defesa, da Integração Regional e a Casa Civil, em busca de recursos federais para ajudar os municípios afetados e atender moradores que perderam as casas e precisam de alimentos, medicamentos, água, roupas e outros utensílios. "Vamos fazer um levantamento e ver o que é possível ajudar em termos financeiros. O Ministério da Integração Regional colocou-se à disposição para ajudar financeiramente, principalmente os três municípios mais afetados", disse Richa.

SAÚDE - Em virtude das enchentes que atingiram a região litorânea, a Secretaria de Estado da Saúde estendeu até o dia 20 de março as ações da Operação Verão no Litoral do Paraná. Médicos e enfermeiros plantonistas que tem contratos temporários permanecerão em Morretes, Antonina e Paranaguá por mais tempo. A Operação Verão acabaria na quarta-feira (9).

O Hospital Regional do Litoral receberá reforço para atender pacientes graves e terá uma ambulância de suporte avançado à vida (UTI Móvel). A secretaria também enviou uma equipe de vigilância em saúde para orientar a população sobre medidas de proteção em caso de enchentes. "Reforçamos a quantidade de materiais médico-hospitalares (tubos de oxigênio, ataduras etc.) e medicamentos, como antibióticos, analgésicos, insulina e soro antitetânico e para mordidas de animais peçonhentos, porque, em situações de emergência como esta, as pessoas ficam sujeitas a outros acidentes", afirma o secretário da Saúde, Michele Caputo Neto.


A Secretaria da Família e Desenvolvimento Social, o Provopar e a Defesa Civil lançaram campanha para arrecadar alimentos, roupas, cobertores, material de limpeza e higiene pessoal, além de água potável, para atender às vítimas das enchentes no litoral. Em quatro dias, foram arrecadadas 168 toneladas de produtos, que são levados ao litoral em comboios.

As doações foram arrecadadas nos mesmos postos montados para ajudar as vítimas das chuvas do Rio de Janeiro, que permanecem em funcionamento. Os supermercados Condor e Muffato entregaram uma tonelada de alimentos cada, nesta segunda-feira (14).

Os donativos podem ser entregues no barracão da Defesa Civil, na rua Sergipe, 1.712 - Vila Guaíra, em Curitiba. As lojas dos supermercados BIG, Mercadorama, Wall Mart, Muffato e Condor de todo o Estado também recebem donativos. Informações sobre doações podem ser obtidas pelos telefones (41) 3350-2706 e (41) 3234-1118.


O Departamento de Estradas de Rodagem (DER) recomenda aos motoristas que evitem dirigir-se às cidades litorâneas localizadas entre as rodovias BR-277 e BR-116, porque o tráfego está muito precário. Qualquer deslocamento, mesmo que emergencial, deve ser feito somente após consulta a Polícia Rodoviária Estadual pelo telefone 198. O DER enviou máquinas e trabalhadores para a região e apresentará levantamento da extensão dos danos após a volta da normalidade climática.

Na tarde desta segunda-feira (14), o acesso a Morretes, Antonina e Guaraqueçaba podia ser feito pela estrada da Graciosa (PR-410), que faz entroncamento em direção às três cidades e ao distrito de São João da Graciosa, mas o tráfego exige cuidados em todas as estradas que cortam a região. O tráfego está normal na rodovia PR-412, que liga Guaratuba à BR-101, no sentido Santa Catarina, e faz a ligação entre Matinhos e Pontal do Paraná.

Por determinação do governador Beto Richa, a Defesa Civil e a Sanepar iniciaram nesta segunda-feira (14) a distribuição de água potável para motoristas que estão retidos na BR-277 desde sexta-feira. Os motoristas enfrentam o congestionamento na rodovia por conta de deslizamentos, quedas de pontes e alagamentos ocorridos durante o fim de semana em diferentes pontos das estradas de acesso ao litoral. O Governo não descarta a possibilidade de distribuir mantimentos e de colocar banheiros químicos para atendimento de quem circula na BR 277.


A Sanepar informou que o abastecimento de água foi retomado em Morretes, ainda na noite de sábado (12). Na sexta-feira (11), a Estação de Tratamento de Água no município foi paralisada pelo temporal que danificou a rede de energia. Técnicos da empresa vistoriam a rede de distribuição de água de Morretes à procura de vazamentos, para identificar pontos da tubulação rompidos, que retardam a normalização do abastecimento em algumas áreas.

A Sanepar enviou cinco caminhões-pipa e 100.800 copos de água tratada que a Defesa Civil está distribuindo para o abastecimento emergencial dos moradores de Morretes. Nesta segunda-feira (14), os caminhões-pipa estão abastecendo a população rural de Morretes e Antonina e permanecerão na região até o serviço de água ser normalizado.

FAMÍLIA E DESENV.SOCIAL
Governo envia 168 toneladas de alimentos e roupas para vítimas das enchentes no Litoral


A secretária da Família e Desenvolvimento Social, Fernanda Richa, informou nesta segunda-feira (14) que a campanha de arrecadação de donativos para as vítimas das enchentes no Litoral do Paraná já soma 168 toneladas de doações, entre alimentos, roupas, cobertores, água mineral, fraldas descartáveis, material de limpeza e higiene pessoal.

As doações são recebidas nos mesmos postos montados pela Secretaria da Família, Provopar e Defesa Civil para atender as vítimas das chuvas do Rio de Janeiro. "Os postos de coleta não foram desativados, porque tivemos que socorrer pessoas nos estados de Minas Gerais e Santa Catarina, e na Região Metropolitana de Curitiba, onde chuvas recentes também causaram estragos", disse a secretária.

A campanha de arrecadação de donativos para as vítimas das enchentes no Litoral foi lançada na sexta-feira (11) e provocou uma grande mobilização de empresas e pessoas físicas. As maiores necessidades são de roupas, colchões, cobertores, material de higiene e limpeza e alimentos não perecíveis. Nesta segunda-feira (14), os supermercados Condor e Muffato doaram, cada um, uma tonelada de alimentos ao Provopar.

COMBOIOS - O primeiro comboio com ajuda para os desabrigados de Antonina, Morretes, Guaratuba e Paranaguá saiu de Curitiba com 12 toneladas de alimentos, água potável e roupas. No sábado, foram enviadas 105 toneladas. O terceiro comboio da solidariedade saiu de Curitiba no domingo, com 31 toneladas. Nesta segunda, foram enviadas 20 toneladas.

A presidente do Provopar, Marli Corleto, informou que funcionários e voluntários do Provopar e da Defesa Civil trabalharam durante todo o dia de ontem (14) na preparação de cestas básicas e na seleção e preparação de roupas e agasalhos que serão enviados através de novos comboios no transcorrer da semana.

Os donativos podem ser entregues no barracão da Defesa Civil que fica na rua Sergipe, 1712, na Vila Guaíra, em Curitiba, e também nos supermercados BIG, Mercadorama, Wall Mart, Muffato e Condor de todo o Estado. Informações sobre doações podem ser acessadas pelos telefones (41) 3350-2607 e 3234-1118.

O Rio Ribeira do Iguápe, começou nesta manhã, segunda-feira, 1 de agosto, a transbordar, alagando casas e ruas em cidades ribeirinhas como Adrianópolis e Ribeira, entre outras que também sofrem com a enchente no Vale do Ribeira. No momento informações que chegam são de que o rio está subindo cada vez mais, muitas pessoas foram pegas de surpresa e não tiveram tempo de retirar suas coisas, as demais, que ficam em regiões mais baixas e próximas ao rio estão erguendo, retirando e fazendo o que pode para não serem atingidos.

A equipe Folha de Adrianópolis que está no local, estão ajudando pessoas a retirarem suas coisas de casa e ajudando no traslado de moveis e pessoas, estaremos postando todas as informações atravez de nosso site, e também de nosso Facebook e Twitter.

Caso você tenha imagens e/ou vídeos para nos enviar, envie para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

Que postaremos aqui com seu nome.

Abaixo algumas imagens que chegaram sem fonte:

fotos de Ribeira - SP.

Em Cerro Azul no Paraná, uma ponte caiu por causa da enchente. em breve novas informações.

Atualização:

Estrada que leva a Curitiba (BR476) está interditada por quedas de barreiras e pedras em vários trechos.

VOCÊ pode fazer algo para ajudar!
Doe mantimentos, roupas, cobertores, colchões, água mineral, produtos de limpeza ou uma quantia em dinheiro que será revertida para compra destes itens.


Quer doar? Quer dar um pouquinho apenas em troca de tudo o que essas duas lindas cidades já deram a você?

Para ajudar, pedimos que seja doado alguns itens que a população está necessitando neste momento:

- Água Mineral
- Alimentos
- Cobertores
- Roupas
- Produtos de limpeza
- Colchões

Os postos de coletas são os seguintes:

Em Curitiba:

Rua Alberto Potier, 100 - Boa Vista - Pode ser entregue ao porteiro.

Rua Grã Nicco, 113, bloco 2, 5º Andar  - Mossunguê - Pode ser entregue na recepção da CINQ Technologies.

Em Adrianópolis:

Colégio Estadual Santa Barbara - Rua da Matriz s/n. O Colégio está funcionando no periodo da manhã e tarde.

Em Ribeira:

CRAS - Centro de Referencia e Assistência Social - Rua Fernando Prestes, ao lado da Prefeitura.

Em Apiaí:

Colégio Estadual Regina - Bairro Santa Bárbara.

Estúdio Grafite. Rua Primeiro de Maio.

Em Tunas do Paraná:

Colégio Estadual Severo Ferreira Ruppel.

Para quem não pode levar suas doações nestes locais, disponibilizamos uma conta corrente para doações:

Banco Bradesco
Agência: 2027
Conta Corrente: 0580138-9

Clique aqui e divulgue no Facebook

Por favor, sua ajuda é muito importante para a reconstrução destas cidades e as familias maravilhosas que aqui vivem.
Seja solidário, doe!

Mais um ano para termos ações decisivas...

Hora do Planeta: todos no escuro contra o aquecimento

No dia 26 de março, às 20h30, será realizada à Hora do Planeta 2011. Em protesto ao aquecimento global, a ONG WWF convida, pela quarta vez, pessoas de todo o mundo a participar desta manifestação, apagando as luzes de suas casas, durante uma hora.

APAGÂO MUNDIAL - Participe você também! Realize uma ação para melhorar o planeta!

Adrianópolis estará participando novamente desta importante ação!

CURITIBA, 30 de junho de 2011 – O frio bateu recorde nessa semana nas regiões sul, sudeste e até no centro oeste, o clima seco e frio vindo da Argentina e do Chile chegou ao Brasil com força total, na terça-feira (28) os termômetros registraram -0,9ºC na capital paranaense, conhecida como a capital mais fria do país.

Na região metropolitana, assim como todas as outras cidades do estado, ficaram com as temperaturas mínimas abaixo de 6ºC. Geou em muitas dessas cidades, Adrianópolis registrou 1,8ºC, já em Tunas do Paraná os termômetros marcaram 0,7ºC, segundo o Simpear (Sistema Meteorológico do Paraná), Bocaiúva do Sul assim como Curitiba, registrou -0,9ºC, sempre com o vento, deixando a sensação térmica ainda mais gelada.

O clima nesses últimos dias tem dado uma trégua, hoje em Curitiba chegou a registrar 16ºC, mas quem acha que o frio já está passando, se enganou, para a sexta-feira (8), está prevista a chegada de uma nova frente fria, que provocará geadas ao amanhecer e queda de temperatura para 3ºC, no sábado (9) a previsão marca -1ºC em Curitiba.

Em Apiaí no estado de São Paulo o frio chegou a -2ºC, por ser uma cidade muito alta, Apiaí ainda sofreu mais com os ventos cortantes que fizeram as pessoas terem sensação térmica de -6ºC.

O clima frio, pode ser uma atração turística, mas também trás tragédias, em Curitiba três pessoas morreram por causa do frio intenso. A hipotermia ocorre quando a temperatura do corpo cai muito de modo não intencional, afetando o metabolismo, o que pode levar a morte.

Confira as etapas

Primeira etapa

  • A temperatura corporal cai de 1 a 2 graus Celsius abaixo da temperatura normal. A pessoa tem arrepios, a respiração se torna rápida, as mãos ficam adormecidas com dificuldade de utilizá-las para efetuar tarefas.

Segunda etapa

  • A temperatura corporal cai de 2 a 4 graus Celsius abaixo da temperatura normal.Os arrepios são mais intensos, os movimentos são lentos. As extremidades ficam azuladas, há um pouco de confusão. Apesar disto a vítima está consciente.

Terceira etapa

  • Em geral os arrepios cessam, surgem sinais de amnésia, impossibilidade de usar as mãos, diminuição do pulso e respiração. Diminuição da atividade celular. Falha dos órgãos vitais. Morte clínica.

Fiscalização feita nesta quarta-feira (5) por equipes do Instituto Ambiental do Paraná (IAP), pelo Centro de Estudos do Mar (CEM), da Universidade Federal do Paraná, pelo Ibama e pela Polícia Ambiental constatou o fim da mortandade de sardinhas da espécie xingó nas baías de Paranaguá e Antonina. As equipes percorreram todos os locais onde inicialmente foi encontrado um grande volume de sardinhas mortas entre os dias 27 e 31 de dezembro de 2010.

“De acordo com o laudo emitido pela equipe, todas as sardinhas encontradas mortas estavam em estágio avançado de decomposição, comprovando que a morte não ocorreu nas últimas 24 horas”, informou o presidente do IAP, Tarcísio Mossato Pires.

A Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (SEMA), por meio do Instituto Ambiental do Paraná (IAP), está investigando as possíveis causas da mortandade de sardinhas da espécie xingó na baía de Paranaguá, entre elas, a possibilidade de um descarte criminoso feito por barco pesqueiro. “Há indícios de descarte irregular, devido ao tamanho dos peixes e a restrição para pesca da sardinha neste período do ano em outros estados”, ressalta Mossato

O IAP já solicitou informações do Programa Nacional de Rastreamento de Embarcações Pesqueiras por Satélite (PREPS), para verificar se alguma embarcação na região no período das mortes de sardinhas. “A solicitação já foi encaminhada ao Ministério da Pesca”, completou Mossato, que determinou reforço nas ações de fiscalização contra a pesca predatória no Litoral paranaense.

O Centro de Pesquisa e Gestão de Recursos Pesqueiros do Litoral Sudeste e Sul, órgão ligado ao IBAMA, também foi contatado para auxiliar nos trabalhos.

Outra prioridade para o IAP é saber a quantidade real de sardinhas mortas. “Tendo em vista o desencontro de informações que vem sendo divulgadas, solicitamos uma aferição da quantidade real de sardinhas mortas”, lembrou o presidente do IAP.

Página 1 de 2